Postagens

Mostrando postagens de março, 2012

O Amor é dar o que não se tem (a alguém que não o quer).

O Amor é dar o que não se tem (a alguém que não o quer).   Esta frase aparece como um refrão no Seminário VIII, "A transferência" (1960-1961), tendo já figurado no texto "A Direção da Cura" (1958). Em ambos os contextos, é da transferência analítica que se trata, aquela que Freud não hesitou em chamar de amorosa. Na definição do Dictionnaire de la Psychanalyse, de Roland Chemama, no verbete amour (références Larousse), o amor é um "sentimento de afeição de um ser por outro, às vezes profundo, violento mesmo, mas sobre o qual a análise mostra que pode estar marcado de ambivalência e, sobretudo, que não exclui o narcisismo". O amor inspirou os poetas e os filósofos desde sempre, a própria Filosofia se intitulando como "amor da sabedoria". A psicanálise veio dar um giro no conceito, acrescentando ao psicológico e imaginário as incidências inconscientes do ser de desejo e de falta. Para demonstrar o quanto de antinômico pode perpassar o

Um Deus que Sorri por Rubens Alves

  Um Deus que Sorri!   Rubem Alves é Psicanalista, Escritor e Professor Emérito da Unicamp   Eu acredito em Deus! Mas não sei se o Deus em que eu acredito, é o mesmo Deus em que acredita   o balconista, a professora, o porteiro, o bispo, o pastor...     O Deus em que acredito não foi globalizado. O Deus com quem converso não é uma pessoa, não é pai de ninguém. É uma idéia, uma energia, uma eminência.   Não tem rosto, portanto não tem barba. Não caminha, portanto não carrega um cajado. Não está cansado, portanto não está sempre no trono. O Deus que me acompanha vai muito além do que me mostra a Bíblia. Jamais se deixaria resumir por dez mandamentos, algumas parábolas e um pensamento que não se renova. O meu Deus é tão superior quanto o Deus dos outros, mas sua superioridade   está na compreensão das diferenças, na aceitação das fraquezas e no estímulo à felicidade.   O Deus em que acredito me ensina a guerrear conforme as armas que

Estou aqui

                                                                                                                        Estou Aqui   Então eu estou aqui e você também Me permite ser o seu espelho esta noite E cantar em mim o teu encanto Como quem sabe no fundo Que não há distâncias neste mundo   Pois somos uma só alma... Me permite ser esta noite A voz que te canta e te encanta de si Que te faz sentir-se e parar   Como quem volta para casa e resolve se amar. Somos livres e não possuímos as pessoas... Temos apenas o amor por elas e nada mais... E é preciso ter coragem para ser o que somos... Sustentar uma chama no corpo sem deixar a luz se apagar!   É preciso recomeçar no caminho que vai para dentro vencendo o medo imaginado Assegurar-se do inesperado Confiando no invisível Desprezando o perecível na busca de si mesmo Ser o capitão da nau no mais terrível vendaval...   Na conquista de um novo mundo mergulhar bem fundo para en

Ganhei Coragem

Ganhei Coragem Rubem Alves É Psicanalista, Escritor Professor Emérito da Unicamp-SP   “Mesmo o mais corajoso entre nós só raramente tem coragem para aquilo que ele realmente conhece”, observou Nietzsche. É o meu caso. Muitos pensamentos meus, eu guardei em segredo. Por medo. Alberto Camus, leitor de Nietzsche, acrescentou um detalhe acerca da hora em que a coragem chega:  “Só tardiamente ganhamos a coragem de assumir aquilo que sabemos”. Tardiamente. Na velhice. Como estou velho, ganhei coragem. Vou dizer aquilo sobre o que me calei:    “O povo unido jamais será vencido”,   é disso que eu tenho medo. Em tempos passados, invocava-se o nome de Deus como fundamento da ordem política. Mas Deus foi exilado e o “povo” tomou o seu lugar: a democracia é o governo do povo. Não sei se foi bom negócio;o fato é que a vontade do povo, além de não ser confiável, é de uma imensa mediocridade. Basta ver os programas de TV que o povo prefere. A Teologia da Libertação sacralizou o povo com

15 Dicas Práticas para Viver Segundo a Regra de Ouro

Imagem
 “ 15 Dicas   práticas ” Para Viver segundo a Regra de Ouro Não há maior simplicidade do que a Regra de Ouro: tratar os outros como gostaria de ser tratado. Também conhecida como a ética da reciprocidade, este código ético afirma que todos temos o direito de ser tratados de forma justa, mas também temos a responsabilidade de assegurar a justiça para os outros. Fazer um esforço para viver segundo a Regra de Ouro pode trazer-lhe tantos benefícios que depressa se tornará num estilo de vida. Para além disso, pode mudar a vida de quem o rodeia, inclusive a sua, que ganhará uma forte lufada de felicidade pessoal. Estas 15 dicas são formas simples para cada um de nós tornarmos o mundo num lugar melhor. Pratique empatia. Crie o hábito de se colocar no lugar de outra pessoa. De qualquer pessoa – um familiar, amigo, colega de trabalho ou até um estranho. Tente realmente perceber o que é ser outra pessoa, o que essa pessoa está a passar e porque motivo fazem o que fazem