segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

"O Afeto que Afeta" - artigo de Psicanalista

 

O Afeto que Afeta

Luiz Psyc - Psycneurosciense

As nossas emoções podem alterar o equilíbrio natural das nossas glândulas endócrinas, prejudicar a circulação sangüínea e a estabilidade da pressão arterial, podendo ainda impedir a regularidade da digestão, modificar o ritmo respiratório e a temperatura do nosso corpo.

Algumas pessoas que apresentem traços de caráter mais neuróticos e ações repetitivas são mais sucessíveis a probabilidade de contrair determinadas doenças psicossomáticas.

Como exemplo, pode ser citado pela medicina, caso de pessoas que sofrem de úlcera péptica e que comumente anseiam por afeição.

Alguns tipos de câncer (quando não genéticos (orgânicos ou por outras contaminações biofísicas) estão associados a pulsões anteriores, repreendidas sem cenário atual aparente. No câncer às células se reúnem para revoltar-se contra o próprio corpo e nessa guerra celular do "chorar", "protestar" e que sinaliza e resulta no "cân-sei" de viver.

Os sentimentos de frustrações e desespero (estressantes) de muitas pessoas, quando não verbalizados e expressados adequadamente leva a este caos. O pior é que a maioria das pessoas, nem se lembram mais (em nível consciente) o que aconteceu anteriormente para este caos se instalar. O corpo faz com que as células se reúnam e simbolicamente reagem com o protesto no próprio corpo.

Surge o Câncer = por causa do cân-sei (de saber sem sabor, de sentir sem tesão só com tensão, desprazer .cansamos).

A hipertonia (aumento da tonicidade dos músculos) é uma das doenças mais freqüentes e um fator de risco de doenças cardiovasculares. Estudos da psicanálise clínica, já sinalizam que existe de fato uma incapacidade dos hipertônicos se expressarem adequadamente a sua "raiva e agressão".

Além dessas investigações, existem outras mais recentes que partem mais para uma deficiência geral de controle e o estresse cultural como fatores patogênicos importantes.

Vê-se asma brônquica como um fator psíquico importante que se equivale de uma forte ligação com a "mãe e relações familiares perturbadas".

No estudo da Psicanálise, vemos a asma como o "Grito chamando pela Mãe".

Já o problema do hipertireoidismo demonstra a maneira ampla e sem fronteiras com as emoções traumáticas, que perturbam e desequilibram o nosso emocional (Exemplificando: preocupação exagerada, desapontamentos ou tristeza profunda). Alguns estudos indicam que o hipertireoidismo feminino pode decorrer do desejo insistente da mulher em "Ter filhos" (seja gestação uterina ou na vivência do dia a dia).

Enfim, às doenças psicossomáticas estão sendo um desafio para a Medicina, psiquiatria, psicologia, terapias alternativas e até mesmo a Psicanálise. Não se pode mais negligenciar tal fato e talvez este seja o verdadeiro mal estar da civilização moderna.

Ninguém, praticamente pode estar imune e livre de influências psíquicas, visto que numa atitude pouco usual, podemos ter, no âmago de nosso ser, a ligação a conflitos instintivos "inconscientes e recalcados".

Isso pode gerar ou gerenciar certo comportamento, a qual por sua vez, pode ser a causa de alterações psicossomáticas ao longo de uma vida.

Na grande maioria, essas alterações não são necessariamente psicogenéticas, mas são comportamentais, de fundo emocionais. As emoções e atitudes da pessoa no dia a dia, no convívio com outros no trabalho ou na família, podem desencadear todo um processo já existente "angustiante e desprazeroso".

A melhor forma de compensação para todo esse processo é a inscrição psicossomática no corpo e na psique, então podemos encontrar muitos aliados antigos e novos para isso.

O pedido de socorro e protesto vai manifestar-se no Corpo, nos gestos, falas, atos falhos, etc. Vem do corpo a mensagem do pedido de socorro psíquico. A descarga, a válvula de escape passa a ser no corpo.

O corpo fala ditatoriamente tudo aquilo que não escrevo, não falo, não exalto para fora de mim mesmo. Fica inscrito em mim mesmo e muitas vezes se inscreve ainda na infância (recalcada e reprimida), apesar de estarmos adultos.

A "emoção", o "pensamento" é o lápis; as células são a tinta; o papel é corpo. E se duvidar (quando o mal que me acomete) ainda vou redistribuir para quem estiver bem próximo: na família, no trabalho e ou toda a sociedade.

Aliviar a pressão interna, alivia também sintoma psicossomático. Porém acompanhamento clínico não deve ser desprezado.

O acompanhamento terapêutico pode ser algumas das saídas para o sofrimento.

Reestruturar o prazer pela vida com o essencial para se viver, com satisfação de ser (EU) e não em Ter (EU).

Aceitar com naturalidade a vida e seus dilemas conflitantes, os altos e baixos da vida, encarando às perdas e ganhos, neste mundo consumista e materialista sem nos agredir e nos cobrarmos além do limite suportável do nosso corpo e psiquismo é outra saída. Isso tudo são possibilidades alcançáveis.

Vejo os Homens no trânsito hoje. Eles têm simbolicamente uma verdadeira e narcísica ejaculação precoce no Trânsito. Basta observar e ter um olhar mais analítico.

Vejam inclusive, como as coisas podem mudar rápido demais em nossas vidas. Tenho uma filosofia de vida e cultura formacional que passa diante dos meus olhos em frações de segundos ou minutos. Nem sempre posso comprar, ter, desejar e até satisfazer-me de coisas porém é algumas são oferecidas gratuitamente. O "oferecimento" da realização do prazer de ter, comprar, ver têm um custo muitas vezes, além de nossa realidade de "Poder aquisitivo".

Não podemos ser tudo que mostra "ser e Ter". Com este estigma posso até ter um "ganho" um "reforço" psico-hipnótico repetitivo e é como se existisse sutilmente uma técnica psico-hipnótica que nos provoque uma alucinação e vai aumentando cada vez. Com isso a neurose da "caixinha de pandora" pode se desencadear.

Podemos sofrer por não Ter e deixar de ser (EU MESMO, o meu desejo) para ser o outro. O seu desejo é melhor que o meu ou parece ser. Isto pode acontecer no poder, na beleza física ou status.

A mídia é aquilo que vemos e sentimos no dia-dia. É uma apelação psico-hipnótica às milhares imagens, tons, cheiros, barulhos e sons que passam a ter mais poder que às palavras do EU.

Em plena era da cultura do "consumismo", o reforço diário erotizante pode atrair cada vez mais o tânatos. Nós podemos ser enganados por nosso próprio psiquismo. E Isso, com certeza pode ser o cultivo da doença psicossomática.

Somos conduzidos por uma beleza e realidade muito artificial, se compararmos ao nosso mundo real.

A sutil substituição da palavra, do ouvir, do olhar humano pela imagem multicolorida de coisas, parece querer anseiar substituir nossos anseios naturais e nossos sonhos de menino.

A prazerosa imagem pode até reforçar os nossos conflitos internos. Pode também gerar mais condições e terrenos para minar as condições de doenças psicossomáticas que se externam gradativamente. Então passo a exigir de mim, culpar a sociedade, a família ou a escola daquilo que não sou e não posso ser satisfeito instantaneamente.

Isto talvez seja apenas um detalhe que têm aumentado os índices de violência no mundo ultimamente.

É importante "Conhecer-se a si mesmo", buscar ajuda, e apoio enquanto ainda temos tempo para reajustarmos o nosso equilíbrio emocional e psíquico.