terça-feira, 27 de outubro de 2015

Amar os Outros.....


“Se formos capazes de eliminar, nas profundezas do nosso inconsciente, os sentimentos de rancor em relação aos nossos pais e de perdoá-los pelas frustrações que tivemos que suportar, então seremos capazes de amar os outros no verdadeiro sentido da palavra”.
Melanie Klein 
Livro:
“Amor, culpa e reparação”
Publicado em  1937
Visite meu site: www.drluiz.com

O SINTOMA NO DIVÃ....



“O sintoma é o representante de uma verdade indizível, inominada e inaceitável. E o sujeito que se encoraja a construir seu discurso no acolhimento do divã estará se libertando e nunca mais será o mesmo ser pensante”.



Ano: 20 

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Amar é um Perigo e Odiar um Desastre...

Amar é um Perigo e Odiar um Desastre...


Crônica do Repensar!

Amar é um perigo, o sujeito está sob ameaça o tempo todo  de não ser um bom amor ou suficiente amor!

O amor é um problema sério na história da humanidade, ainda é um “tabu” e pecado desqualificar sua obrigação e seu poder e sua função social, cultural e familiar.

As pessoas têm esperança em seus líderes “religiosos ou políticos” porque os amam, votam e acreditam neles simplesmente por que os “amam” na sua “falta”.  

Mesmo que esse seja um “amor de troca” e de interesses não “revelados de ambos os lados” há sempre uma “negociata” imaginária e abstrata seja qual for o líder mortal ou imortal.

Nenhum líder religioso ou político suportaria a fúria do ódio “real” dos seus seguidores; seja esse o ódio de ovelhas, ou seja, de seus eleitores e contribuintes de impostos, as leis, convenções e tabus não permitiriam isso. 

O “Real” de um “sujeito” no formato coletivo não têm suporte no modelo de sociedade pós moderna capitalista e democrática.

Torcidas de times  se enfrentam não por “ódio”, mas por amor ao seu “time” e em nome desse “Amor” acontece as mortes e atrocidades humanas, há um amor “coletivo” odioso que não completa, não sacia pela falha da paternidade na primeira infância edípica.  

Inúmeras Guerras “religiosas e sectárias” acontecem não por ódio, mas por amor de seus “seguidores e adeptos” a algum líder ou Mestre religioso de determinada religião.

Todos queremos “Amor” mas ao mesmo tempo odiamos esse “Amor” que não completa nada a plenitude do desejo desconhecido e inominado no inconsciente humano.

O ódio desde tempos de Adão e Eva; ou desde quando o homem primata sentiu e reconheceu a dor e olhou para o Céu  e xingou com muito ódio e não com amor. O ódio deveria servir para o sujeito, repensar a dor e a falta ou o que lhe falta isso nesse repensar há um vazio existencial sua dificuldade de discurso ou linguagem nomeia a “violência ou a morte como sublimação há falta” .

O ódio promove grandes guerras, mudanças e movimentações culturais, religiosas e territoriais na história da civilização desde dos tempos das caverna ou de Adão e Eva. 

Parece que existe no sujeito (sujeito) (pensante) um aparente (lobo) (a) que o tempo todo se apresenta com (fome e carente de um amor)   delatado de  humildade e fragilidade que necessita de desrespeito e violência para se auto-afirmar e existir na sua falta.

O ódio é na verdade o que testa; as relações de (amor) e nisso o “sujeito” tem a sensação de descobrir poderes (imaginários sobre o Outro) com isso desbrava-se e acaba com os ditos fortes e revela diabolicamente que muitos fracos se transformaram em líderes tão fortes e tiranos, que mesmo com sua morte não desaparecem da história mas se tornam “Totens” ou até heróis.  

O amor não correspondido ( ao desejo do outro) revela o real desejo do sujeito; revela ciumentos narcísicos e até perfis (psicopatas).

O ódio declarado é mais sincero, que um “amor” de negociata, bajulação e de interesses “mascarados” e camuflados no real inacessível.

Lacan (já dizia o problema não é o mal, mas o bem).

Acredito que o ódio nem sempre faz catexia psíquica ou somatização no corpo do sujeito; 

Já o amor ou essa busca de completude de amor e muitas (queixas proibitivas e indizíveis) pode ser transformar numa escalada de patologia incurável que se alastra no corpo todo do sujeito.

O Amor é complexo e muitas vezes uma “armadilha” para o sujeito que busca nesse “objeto de “amor” o que lhe “falta a ser” a completude, iluminação, paz, conforto onde vai tentar abrigar a sua falta do amor no amor do “outro” que já é um amor “faltante”.

Não perca a esperança e não busque ninguém tão perfeito e nem tente transformar o outro, mas a dica para as mulheres é saber sobre o édipo do seu namorado, marido ou pretendo amado.

O amor do “outro” será sempre incompleto, imperfeito e insuficiente ao “ego” porque as demandas do ID querem remeter o sujeito desejante ao nirvana nem que para isso tenha que se liquidar o “outro” no imaginário..

"Amar é um perigo e odiar é um desastre" 

Não perca a esperança e continue tentando amar e sob ameaça, ame mais a si mesmo!
Um abraço a todos!

Dr. Luiz Mariano


domingo, 30 de agosto de 2015

"MOMENTO DA PSICANÁLISE DO COTIDIANO"

OUÇA 24 HORAS / MOMENTO PSICANÁLISE DO COTIDIANO 

RÁDIO NA HORA 


http://www.radionahora.com/

ACESSE: RADIO NA HORA 

OUÇA EM SEU PC, NOTEBOOK OU CELULAR - TELEMÓVEL 

BAIXE APLICATIVO PLAYSTORE BUSQUE: radionahora

MOMENTO PSICANÁLISE DO COTIDIANO:

ACESSE:

http://www.radionahora.com/

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A dor e a Cura da Alma...

“Numa análise as vezes a dor ou a doença pode ser o ódio mascarado de amor e está inominado, ocultado para a mãe e a cura se sintomatiza por causa do desejo oculto de incesto e interdito em nome ou na busca de um pai..edípico”


Dr. Luiz Mariano

www.drluiz.com

quinta-feira, 23 de julho de 2015

ADÃO E EVA ESTÃO DEFINITIVAMENTE EXPULSOS DO PARAÍSO...POR ISSO VAMOS AMAR O CÃO...

“Guarda de “Cão” é disputada na justiça do RJ por duas mulheres"

A disputa na "Justiça" no "real" (psicanalítico) não é pelo cão, mas pelo objeto fálico (simbólico) de pretenso amar e poder faltante que tamponava a ferida da sexualidade narcísica ligada a primeira infância inominada.   

A ferida tamponada a qual esse animal “irracional representa no simbólico dessas pessoas (tidas como pessoas normais). 

Essas (duas mulheres) disputam na justiça a guarda de um “animal” que é "irracional" como se fosse ou se estivesse num lugar (simbólico) de uma “criança ou bebê” que é desejante de reconhecimento de (amar e amor) ou desejante de  pais ou suas figuras faltosas na primeira infância; infelizmente essa é minha amarga opinião psicanalítica.

Nós humanos, estamos aos poucos destruindo todos nossos valores, “nortes” e sentidos pela sanidade (de amar e amor) onde se na criação ou gênese do mundo um “cão” era simplesmente um animal irracional, “domesticável e que serviria para vigiar a entrada da caverna de “Adão e Eva” a noite.

Hoje esse “cão” já expulsou “Adão e Eva” do paraíso, da caverna e está se transformando em “gente”, possui redes sociais, está conectado acima dos humanos  ou seria ele ( o cão) um mero objeto de tamponamento de amor de uma ferida narcísica muito exigente.

Pois é e tem gente que fala, dorme e trata animal como "gente" tudo muito normal. 

E onde é o norte onde norteio meu destino e sanidade mesmo ?

Essa é uma pergunta para todos refletirem, amargarem seu "pensar" (seus amores e desejos)  e lembrarem porque parece que todos nós "fomos" expulsos do paraíso e estamos tentando voltar (a amar e ser amados) nem que seja pelo "cão"...

É o fim da "picada"  como se dizia antigamente na roça e no interior, bem depois de Adão e Eva, serem expulsos pelo cão em forma de serpente.

Eu me pergunto e o cão "falaria" em juízo e sanidade com qual "mulher" ele quer ficar ou ser "objeto" de amor. 

Um viva para Lacan:

“Amar é dar o que não se tem a quem não o quer”


Veja a reportagem: 

(motivo da minha opinião acima) 



quinta-feira, 16 de julho de 2015

AGRESSÕES VERBAIS E CAMUFLADAS ( AO FINAL DO TEXTO MEU PONTO DE VISTA PSICANÁLISE )

Agressões Verbais

Aprenda a se defender das agressões verbais camufladas


Você ficou sem entender bem o que aconteceu - conversou com uma pessoa que o tratou de maneira amável, simpática e muito gentil, mas, ao invés de se sentir feliz e estimulado, não via a hora de encerrar aquele encontro e voltar para casa.

Pois é. Aparentemente, você foi tratado de maneira cordial, mas, se não conseguiu ficar à vontade e se sentiu desconfortável, é provável que tenha sido vítima de uma agressão verbal camuflada.

E o pior é que, nessas situações, além de sermos agredidos, ainda por cima nos sentimos culpados. Afinal, se fomos tratados com tanta consideração, que direito teríamos de nos sentir inferiorizados, incompetentes ou fracassados?!

Não, você não está ficando paranóico não.

A agressão verbal camuflada é mais comum do que se possa imaginar e a todo instante estamos sujeitos a ela nas circunstâncias mais imprevisíveis, em nossa casa, no relacionamento com amigos ou no ambiente de trabalho.

Somos insultados, desrespeitados, humilhados, desconsiderados, mas a agressão, de maneira geral, é feita com tal sutileza que não a percebemos conscientemente, e por isso nos abatemos como se tivéssemos agido mal.

Quando alguém nos agride de forma explícita, conseguimos entender no momento o que está ocorrendo e podemos decidir se devemos ou não nos defender.

Entretanto, se a agressão é velada, apenas nos sentimos ofendidos e ficamos impotentes, ou por não percebermos o fato de maneira consciente, ou por notarmos a intenção da outra pessoa, cuja sutileza não nos permite nenhum meio de reagir.


Agressão verbal camuflada não intencional

Talvez essa seja a pior de todas as situações, porque a pessoa não tem intenção de agredir, ao contrário, pode até estar querendo elogiar, mas nos sentimos, se não ofendidos, pelo menos diminuídos ou desconsiderados.

O meu saudoso amigo e um dos responsáveis pelo sucesso do primeiro livro que publiquei, Como falar corretamente e sem inibições - pois foi quem fez o prefácio -, Blota Júnior, certa vez, ao ser convidado para participar de um programa de televisão, foi vítima de uma agressão verbal camuflada não intencional e deu um excelente exemplo de como sair desta verdadeira cilada da comunicação.

Depois de ter permanecido algum tempo no programa, a apresentadora o presenteou com uma caneta de ouro muito bonita e gentilmente disse que desejava que, com ela, ele pudesse dar a nós, telespectadores, um presente: aquela lembrança que ele estava recebendo, deveria servir para ele assinar um contrato com a televisão, pois a televisão brasileira não podia ficar sem a participação de um profissional com a competência do Blota Júnior.

E complementou comentando que não importava qual seria a emissora, pois poderia ser no SBT, na Bandeirantes, na Globo, na Cultura...

Enfim, o importante era que ele usasse a caneta para assinar um contrato com a televisão, qualquer que fosse a emissora.

Observe como foi delicada essa situação.

A apresentadora estava elogiando Blota Júnior de forma sincera, amável e verdadeira, mas, nas entrelinhas, sem perceber, dizia, na verdade, que ele estava desempregado e que a televisão não tinha interesse em seu trabalho.

De um lado, como é que ele poderia recusar um elogio simpático e amigo como aquele?

Por outro, estava se sentindo diminuído com o comentário recebido e precisaria dar a sua versão para revelar que não concordava com a informação.

Veja com que habilidade o grande orador, o melhor que tive a felicidade de conhecer, usou a comunicação para contornar de maneira vitoriosa a posição difícil em que se encontrava:

'Se eu tivesse a capacidade de resistir à emoção, mas acho que já não a tenho, poderia dizer que você, com esse coração tão grande, tão alto, tão generoso, está sempre procurando ajudar os seus semelhantes.

Eu a conheço há muitos anos, desde que começou a trabalhar na televisão e nos tornamos grandes amigos.'

Depois desses elogios iniciais, em que demonstrou a amizade e a admiração pela apresentadora, deu sua resposta genial:

'Eu diria um pouco poeticamente que, no momento em que estou, a televisão brasileira já não tem tanto interesse na minha participação.

O fato é que, com a minha idade, já penetrei no que chamo as doces penumbras de outono.

Estou naquele momento em que, no outono, no crepúsculo, as árvores vão perdendo um pouco das suas flores, das suas folhas, mas adormecem muito tranquilamente, certas de que já cumpriram toda a sua finalidade. Já hospedaram pássaros que nelas fizeram seus ninhos, já floriram e já enfeitaram as paisagens, já deram frutos e, portanto, alimentaram apetites.

Enfim, cumpriram dignamente essa missão.
As suas raízes estão fundadas.
Elas pertencem a essa paisagem e não precisam necessariamente retornar à atividade do passado para se sentirem certas de que um dia na vida puderam e souberam cumprir a sua missão.'

Assim, sutil, com inteligência e diplomacia, Blota Júnior conseguiu discordar, sem demonstrar nenhuma contrariedade.

Em circunstâncias semelhantes essa é a melhor atitude: retribuir o elogio e, com simpatia, sem demonstrar que se sentiu agredido, dar a versão do fato para poder preservar e elevar sua imagem.


Agressão verbal indireta


Esse tipo de agressão é percebido até com bastante facilidade, mas quase sempre dificulta a defesa pelo fato de ser transmitido por uma pessoa que não é a autora da crítica.


Por exemplo: um conhecido que chega dizendo que está chateado com o que tem ouvido a seu respeito e aproveita para acrescentar outras informações, como se ainda fossem de terceiros, usando o tom de voz para carregar um pouco mais nas cores...


Como foram outros que criticaram, você não tem muito o que fazer, além de se sentir magoado. A pior atitude nessa circunstância é a de revelar a contrariedade e passar a se defender da agressão de um anônimo, que talvez nem exista, e que, se existir, provavelmente não tem a fisionomia do demônio que acaba de ser pintado.


Antes de atirar para todos os lados, pergunte de maneira firme, mas calma, quem fez o comentário e em que circunstância ele ocorreu. Ao obter a resposta, procure atenuar o fato, ou pelo autor da crítica ou pela circunstância em que ela foi feita.


Sobre o autor da crítica, poderá dizer, por exemplo, que ele tem passado por momentos difíceis, pois perdeu o emprego, não conseguiu a promoção que desejava, foi abandonado pela esposa, ou qualquer outra informação que seja do conhecimento público.


A respeito da circunstância, seria possível argumentar que, em momentos como aquele, uma pessoa acaba agindo de forma impensada, sem ter muita consciência do que está dizendo.


Esse procedimento deixará desnorteada e sem ação a pessoa que o está agredindo com o uso de palavras de terceiros, pois ela começará a perceber que seu objetivo está fracassando.


Se, entretanto, a pessoa não souber dizer quem fez a crítica, ou por alegar que não o conhece, ou porque ele na verdade não existe, e usa as palavras de terceiros apenas com o objetivo de agredi-lo, a melhor reação é dizer, com a


maior sinceridade que puder demonstrar, que esse tipo de comentário não o incomoda e que, se alguém perde tempo para fazer fofoca pelas costas, é porque deve estar atacado pela inveja ou atormentado por uma crise de auto-estima.


Diante dessa atitude, a pessoa verá o tiro sair pela culatra e será obrigada a receber seu ataque sem reagir
, pois você não a está censurando diretamente, mas sim censurando aquele que ela disse ter feito a crítica.

Touche!


Uma outra modalidade dessa agressão verbal indireta ocorre quando a pessoa se vale de uma afirmação feita por outro, quase sempre por uma autoridade no assunto, quando, na verdade, ela mesma é quem deseja fazer a crítica.


Assim, se ela deseja criticar a estante que você acabou de comprar para a sala de visitas, diz que o renomado arquiteto Fernandinho Abelhudo comentou, na última palestra que fez sobre a arte e o bom gosto na decoração de interiores, que as estantes deveriam ficar longe das salas de visita.


Ora, essa é uma opinião dele e provavelmente o arquiteto jamais tenha tocado nesse tema.


Apenas usa o nome da autoridade para dar peso a sua opinião e esconder o fato de estar pessoalmente fazendo a crítica.


Se perceber que o jogo é esse, apenas desconverse, dizendo, por exemplo, que esses profissionais não entram mesmo em acordo e que cada um possui opinião diferente dos outros.


Agressão verbal com voz suave

A pessoa fala com aquela vozinha meiga, doce e ingênua.

Aos poucos, entretanto, vai destilando o veneno que demora a ser sentido.

  
Sem que possamos perceber, já estamos contaminados e nos sentindo agredidos.

Às vezes a agressão é tão sutil que só conseguimos percebê-la depois de muito tempo, longe da pessoa que nos atacou.


O primeiro sintoma é o de um desconforto que vai se transformando em sentimentos que nos deixam atormentados, como a ideia de fracasso, impotência e insegurança.

A pior reação ao perceber que estamos sendo agredidos seria a de revidar ao ataque de maneira veemente, pois perderíamos o papel de vítimas e passaríamos a ser os agressores.
A pessoa que agride com fala mansa e voz suave, de forma geral não altera seu comportamento e se delicia ao verificar que conseguiu irritar e tirar o equilíbrio do outro.

Finja não ter percebido a agressão e converse normalmente, como se nada estranho estivesse ocorrendo.

Ao notar que não está conseguindo seu intento, a pessoa poderá ficar desmotivada a continuar.

Quando um casal briga, os filhos e as outras pessoas da família tendem a apoiar o cônjuge que se comportou de maneira mais suave e equilibrada e a condenar aquele que gritou e agiu com atitude destemperada.

Ocorre que aquele que falou mais alto e esbravejou talvez estivesse apenas revidando aos ataques que recebeu a partir de agressões que foram feitas com sutileza, de maneira suave e aparentemente gentil.

Assim, a vitima dos ataques acabou se transformando em agressora.
Por isso perdeu a razão e a solidariedade dos outros.

Agressão verbal com expressões sutis

Algumas expressões sutis, inseridas de maneira estratégica ao longo de um comentário, podem funcionar como agressão que atinge a vítima como se fosse uma bomba.

Vamos supor que o gerente de desenvolvimento da empresa, depois de se

dedicar semanas à elaboração de um projeto de mudança da linha de produção, fosse apresentá-lo para a apreciação de um diretor que, pela função que exerce, tivesse a obrigação de receber o trabalho e discutir com os demais membros da diretoria a possibilidade de implantá-lo.


E vamos imaginar também que ele não desejasse a sua aprovação.


Um comentário aparentemente ingênuo e não intencional poderia destruir as possibilidades de sucesso da nova ideia.


Se ele dissesse, por exemplo, que o projeto tinha demandado grande esforço de muitos profissionais e que teoricamente poderia dar resultado, estaria usando de maneira sutil uma expressão com chances de funcionar como objeção ao plano apresentado.


 A expressão 'teoricamente', em circunstâncias como essa que exemplificamos, possui sentido pejorativo e pode induzir as pessoas a concluírem que, se é teórico, talvez na prática não funcione.


Há algum tempo estava assistindo a um programa de televisão e percebi que dois profissionais sutilmente trocavam farpas, embora a aparência fosse de perfeita cordialidade.

Em determinado momento, após um deles fazer brilhante explanação de um tema comportamental, o entrevistador perguntou ao outro profissional o que ele achava daquele assunto.

Antes de dar sua opinião sobre a questão, fez um comentário sobre a exposição do colega dizendo que, em parte, estava de acordo com o que tinha acabado de ouvir.

Observe que, ao dizer que concordava 'em parte', de maneira sutil demonstrava que não comungava das ideias do colega.

E o pior de tudo é que, em seguida, ao dar sua opinião com outras palavras, disse exatamente o que já tinha sido exposto pelo outro entrevistado.

Fique sempre muito atento a essas expressões sutis, pois, dependendo da maneira como são usadas e da inflexão de voz como são pronunciadas, poderão funcionar como verdadeiro veneno para o sucesso da sua causa.



Nessas circunstâncias, a melhor saída é demonstrar que ficamos felizes com o comentário e complementar dizendo que tínhamos certeza de que uma pessoa bem preparada e inteligente como ele iria mesmo concordar com este ponto de vista, eliminando, assim, a força daquela expressão sutil.


Cuidado, entretanto, para não começar a ver fantasmas em todas as situações, imaginando sempre que alguém está querendo agredi-lo. Use o bom senso e aprenda a identificar bem seus sentimentos - eles, mais do que ninguém, saberão orientá-lo sobre o que está realmente ocorrendo.

Prof. Reinaldo Polito
 Mestre Ciências da Comunicação

Fonte consultada:
Revista Vencer nº 24   Imagens: Internet
Esses e outros conceitos são desenvolvidos no curso de expressão verbal ministrado pelo Professor Reinaldo Polito. Reinaldo Polito é mestre em Ciências da Comunicação, palestrante, professor de Expressão Verbal e autor de 20 livros.

Meu Ponto de Vista 

Comentário p/ Reflexão com efeitos colaterais:

Na psicanálise “agressões” verbais pode ser a maldita “transferência selvagem” ou seja, aquela que normalmente é tolerada aceita no ambiente de estudo, trabalho e familiar, porém (não e nunca foi terapeutizada por isso tolerada).

Essas "agressões" são resquício de conflitos edípicos não resolvidos é a queixa de um amor inominado que foi falho e faltante na primeira infância, e em muitos casos a ferida narcísica é que agride ou grita com as pessoas, e não sabe por que agride verbalmente ou grita.

Na Psicologia a “agressão” verbal pode ser de modelos familiares ou seus ambientes onde se é (repetido) é aprendido com adultos (avós, pais, Padres, Pastores e Educadores) todos que gritem ou fale alto demais são exemplos às crianças para se comunicar ou resolver tudo na base da (agressão verbal ou gritos).


Crianças com excesso de tarefas, horários rígidos e obrigações também agridem verbalmente, como um pedido (ics) de socorro.   L. M.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Breve Introdução a Interpretação Sonhos ( Freud )

NOTAS DE  AULA
INTRODUÇÃO A INTERPRETAÇÃO  DOS SONHOS
TEMPO: - Somente depois de algum tempo de iniciado a terapia (psicanalítica) ou as sessões de análise, que será  comum o paciente (de análise) começar a se lembrar / recordar dos seus “sonhos” antes esquecidos ou sem importância. O relato desses sonhos podem fazer parte da análise e travessia do sujeito em sua terapia e auto-conhecimento do ( ics).   
LEMBRAR / RECORDAR: - o Lembrar ou recordar os sonhos se dará com o período da fidelização da “parceria psicanalítica” é quando o psicanalista é o cara que acolhe o saber inominado do analisado (de forma imparcial e amoral) e passa a fazer parte do  seu sintoma. (Se estabelece vínculos de confiança e passa fazer parte do discurso do sintoma (ics) )
- REPETIÇÃO / PESADELO: o Sonho (repetitivo) ou similar / ou mesmo pesadelo terríveis que incomoda. Está revelando algo muito importante e complexo na nossa vida fetal ou pós uterina. Também eventos traumáticos (não bem recalcados) pode vir em pesadelos.   
- DESLOCAMENTO: - Sonho de “deslocamento” de órgãos de partes do (corpo)  têm grande importância na terapia psicanalítica (sonhos)  e no tratamento sintomático psíquico, discurso de órgãos que se deslocam ou mudam de lugar no corpo têm uma simbolização específica e não universal.
- OBJETIVO E OBJETO: - O objetivo do sonho é a manutenção do sono e principalmente da manutenção da sanidade que é (objeto) inorgânico do sujeito (neurótico) para se sentir (ego/Eu) renovado para o dia seguinte.
- NEUROSE E PSICOSE: - Somente neuróticos “sonham” psicóticos não sonham eles (alucinam) a qualquer hora.
- ALIVIO AFLIÇÕES: O Sonho para nós “neuróticos” é uma tentativa de resolver no (plano simbólico)  pendências afetivas, traumáticas, sexuais ou tentar reorganizar nossa sanidade, nós passamos a vida sonhando e repassando o nosso Édipo em revista, realizando desejos e carimbando e recarimbando os recalques ao longo da vida. (Jung)
- LASTRO E TRATAMENTO DOS SONHOS:  Esse tratamento será a partir do  discurso simbólico (contido) nos sonhos por seu sonhador relatados nas (Sessões de Psicanálise) a interpretação pode se iniciar entre   mínimo de quatro meses a dois anos de terapia analítica o sonho passa a ter valor na terapia e isso inclusive respalda da (lastro) da “Psicanálise” de (Freud).
- RESISTÊNCIA: - O Sonho “montado” em “análise” pode virar uma resistência: Tanto o lembrar, o esquecer como o não contar diante disso ele passa a não ter valia efetiva momentânea, mas só na temporalidade que durar o tratamento. (as sessões de análise)      
- ESQUECIMENTO: Sonhos são esquecidos: Motivos: Censura Onírica, baixa oxigenação cerebral, acordar bruscamente, resistência, erotização inominada de um banquete sexual inaceitável para a realidade do sujeito na razão etc..
- AUTO-INTERPRETAÇÃO: Durante o processo de “Analise” o analisado pode sim, desenvolver a capacidade de Interpretar seus próprios sonhos (à medida que diminui a sua resistência e mecanismos de defesas), mas isso sempre dever ser “supervisionado” de tempos em tempos pelo Psicanalista.
- A ANÁLISE DO SONHO NÃO É UNIVERSAL: - O Sonho em “análise” não é universal  pertence a história e a anamnesse do analisado, por isso a interpretação de autoconhecimento de si e seus significantes pessoais e íntimos.
- INFLUÊNCIAS: - O Conteúdo onírico: sofre influencias: Resquícios do Dia, Comilança noturna, barulhos externos, necessidades fisiológicas ou efeito de medicação ((uso de bebida alcoólica, medicação psiquiátrica ou drogas).
- SIMBOLOGIA: - Existem símbolos universais, símbolos regionais, símbolos e culturais em cada sonho isso pode variar na interpretação de  pessoa para pessoa. Ou seja de (Sonhador para sonhador)
-CASO CLÍNICO PESADELO COM SERPENTE: - Relato e a interpretação da simbologia (sonhos ou pesadelos repetitivos): Paciente 29 anos quadro de (depressão e TOC) sonha desde 12 anos que uma (serpente) muito fina tenta sufocá-lo ou matá-lo. Descoberto na entrevista com a (mãe tentou aborto) e o bebezinho nasceu com o cordão umbilical todo (enrolado) no pescoço como se estivesse se extrangulando ou tentando se suicidar no (útero) para atender ao desejo da mãe. Na vida adulta esse bebezinho virou um rapaz aterrorizado pelo pesadelo da serpente.
Baseado em minha experiência de clínica de psicanálise chamo um (evento desse) de trauma de (memória inconsciente neuro-fetal) pode acontecer a partir do 4º mês gestação envolve a mãe, pai e ambiente do acolhimento da gestante.
- SUPORTAR/SUPORTE PSIQUICO: - No sonho eu posso rejeitar aquilo que (suporto e acato na razão / diurna) (pulsão)  de forma simbólica e aceita isso é uma espécie de (ética da sanidade)
- SEXUALIDADE: (IMAGINÁRIO) No Sonho as simbolizações de conteúdo de sexualidade ou sexuais, órgãos (sexuais) não necessariamente representam o (ato objetal sexual) em sim. Mas sim uma demanda simbólica da psique de cada um de nós. Coisas e  lugares ou bizarros também serve de substitutivo (simbólico) a essa visão psíquica da sexualidade (são opositoras em seus significados e produzem significantes) de cada sujeito mas não tem valia universal  a todos.   
 Complementação:
   - Lembrando que somente os “Neuróticos” sonham organicamente é saudável sonhar.  
- O “sonho é o guardião do sono” é a necessidade de “repousar, restabelecer-se organicamente para revitalizar-se física e emocionalmente para o novo dia ” L.M.
O Sonho: Pode receber influências (externas) tais como: excesso alimentar ou fome, frio ou calor, barulhos de chuva, carros, avião, sons, ruídos naturais, desconforto de acomodação e doenças graves. 
- Os psicóticos em sua maioria alucinam e têm delírios. (Psicose) não sonham.  
- (Freud) Sonho é a realização de um desejo inconsciente.
- Que pode revelar parte o real do Sujeito e sua linguagem.  (Lacan)
- O Sonho realiza algum desejo (inconsciente) como uma forma dar “solução, saída, simbolização da demanda do desejo. (solução de conflito) 
- Os Sonhos podem ser (Bons, Maus, de Amor e ódio, Luz e trevas, negação, punição, pecado, vivência do Édipo não resolvido ou fechado).
- Em Pesadelos: É o sonho de censura: necessidade de punição, também pode ter origens traumáticas, rejeição, emoções fortes, afetividade e relacionamentos conturbados, culpabilidade, traumas sexuais (violência psicológica, moral ou sexual).   
- A censura onírica pode alterar a forma e a simbolização do sonho para o (Consciente) ou mesmo para “terapia analítica”.
- O sonho em (psicanálise) não têm fórmula e nem deve ter “interpretação” de dimensão moral ou religiosa, disciplinadora; porém a estrutura psíquica “superego e id” de cada individuo pode influenciar na forma dos sonhos.
- A interpretação do Sonho em análise somente a “Psicanálise” é o que pode dar acesso ao inacessível e insabido do sujeito real dentro de cada um de nos.
Recomendação Importante: Não se de deve tentar “interpretar” o sonho de quem está fora do contexto terapêutico psicanalítico, os efeitos podem ser “negativos” e somáticos e induzir a pessoa a “mais repetição a erros e resistências”. O sonho é material terapêutico da psique do sujeito (único) e nele está seus traumas, Édipo e tudo que foi reprimido, esquecido e inominado.
 SOBRE AS IMAGENS DOS SONHOS
- As “imagens dos sonhos” não são reais (razão / racionais) (são representações e algumas opositoras do que não “deu certo ou não se realizou na (razão) elas são a linguagem simbólica do inconsciente e seus são conteúdos hermeticamente selados / e ou recalcados / traumas e desejos inclusive proibidos estão no universo do sonho que pertencem ao “sonhador”.
- Na terapia psicanalítica “O sonho” pertence exclusivamente ao “sonhador” e na análise quanto mais imparcial, amoral e isolada for à interpretação mais o “analisado” vai colher novas idéias, significações e insights para seus conflitos ou busca de conhecer a si mesmo.
Sonhos: Trazem solução de muitos conflitos internos (Jung)
Sonhos Espirituais: De sensitivos ou de alguns líderes religiosos mostrarem algum caminho a seus que seus seguidores ou o que estes devem seguir. (não objeto da nossa análise).
Sonhos eróticos: Serve para amenizar o sofrimento a angustia do proibido, do pecado e da interdição da e definição da vida sexual, serve para não se expor a “vergonha ou juízo na razão” e serve para solucionar conflitos de intensa “libido” recalcada e edipiana.        
 Sonhos (variam de cultura para Cultura).
Cada um de nós tem seus motivos e mecanismos para o aparente esquecimento ou não lembranças dos nosso sonhos que vão desde: Baixa oxigenação do cérebro, levantar muito rápido, o esquecimento (é um mecanismo de defesa / ou  resistência).
Sonhos repetitivos: (conflitos afetivos, emocionais pendentes e não solucionados por muito tempo, ou repetidos ações e atitudes “padrões” de tempos em tempos.
É muito importante e comum se observar que as pessoas (pacientes) de análise ou aspirantes estudantes candidatos ao lugar de “Psicanalista” que façam e se submetam a “análise” comecem a lembrar dos seus sonhos e aprenderem inclusive a “interpretá-los”.
Na laicidade da psicanálise tratar e interpretar os “Sonhos” é como se abrisse uma “porta” do Céu desconhecida até então a possibilidade de um “saber” da nossa verdadeira aspiração e desejo para melhor encarar a temporalidade da vida com mais sanidade, felicidade, paz e saúde por si mesmo.
Prof. Luiz Mariano

  Referências:

FREUD, S. A interpretação dos Sonhos, Edição C.100 anos,Imago-RJ.1999. FREUD, S. Obras psicológicas Completas versão 2.0-Vol.VII-O quadro clínico, o  primeiro sonho, o segundo sonho, posfácio.
FREUD, S. Esboço de psicanálise. Rio de Janeiro: Imago;1975.Links. Fisher, S. Greenberg R.P. Freud scientifically reappraised: testing the theories and therapy. New York: John Wiley & Sons, Inc.; 1996. Links.
Azevedo AMA. Validação do processo clínico psicanalítico: o papel dos sonhos. Rev. Bras. Psicanálise. 1994;28:775-96. Links. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. Vol. 28 nº2 Porto Alegre May/Aug.2006. Artigos de Revisão. Freud, S. Esboço de psicanálise. Rio de Janeiro: Imago; 1975.    Andrade VM. Sonho e inconsciente original (não-reprimido): a conduta analítica em face de representações inacessíveis à consciência por método interpretativo. Boletim Científico da SPRJ. 2004;2:7-16.     Doin C. A psicanálise e as neurociências: os sonhos. Rev Bras Psicanal. 2001;35(3):687-716.  Cruz JG. A injeção de Irma, cem anos depois: algumas considerações sobre a função dos sonhos. Rev Psicanal. 1996;III:93-109.