quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Gostar de Sofrer.
O psicanalista declara: -“O sujeito goza em seu sofrimento”.
O povo traduz: - “As pessoas gostam de sofrer”.
 Todo mundo sabe disso, usa a expressão com frequência, mas acha que é brincadeira por não ser possível, em sã consciência, alguém gostar de sofrer.

E, no entanto, isso é muito comum.
Como ninguém quer dar recibo, nem para si mesmo, do seu gosto do sofrimento, acaba incorrendo em uma prática dolorosa.
Não querendo ser descoberta, a pessoa intensifica suas queixas e dores para melhor justificar seu momento sofredor.

Assim, aquela que sofre pela velhice de um parente próximo, ou de uma doença grave, ou de uma perda importante, a cada dia, se surpreende com esse fato, como se fosse algo novo.

É um modelo geral que se aplica às mais diversas situações da vida.
Isso explica, em parte, o crescimento do diagnóstico de depressão.  Estamos vivendo uma epidemia de depressão.
A pessoa não está muito bem, anda triste, esquecida, dorme mal ou dorme muito, lá vem a explicação: está deprimida.

Entre não saber o que tem e aceitar um rótulo que todo mundo compreende e respeita, a pessoa se agarra ao segundo.

Assim foi com Maria. Ela não poderia ter outra coisa se não estar deprimida.
Com distrofia muscular nos braços e nas pernas, andando em cadeiras de rodas e dependente do seu marido cheio de saúde, o diagnóstico estava pronto só faltando o psiquiatra-psicanalista avalisar, medicar, e explicar como ela deveria melhor se resignar a seu estado depauperado. 

Mas não foi nada disso que ocorreu.

Na primeira consulta entraram os dois, Maria e seu marido. Era um homem de forte envergadura, vistoso, contrastante com o estado e o aspecto de sua mulher. Começada a entrevista, Maria mal falava, nem mesmo levantava a cabeça.
O analista perguntou se ela queria que o marido se retirasse. Ela não respondeu.
Ele, o marido, repetiu a pergunta. Frente ao insistente silêncio dela, afirmou o analista: - “Sim, ela quer que o senhor se retire”. Surpreso, ele saiu. Ato contínuo, ela levantou pela primeira vez a cabeça e declarou:
 - “Doutor, como é que alguém pode estar bem com um traste desses do lado?”. Começou a se queixar do traste que a cansava, pois, medroso de andar sozinho, a forçava a acompanhá-lo em suas visitas de vendedor.

Solicitada a contar a história de seus relacionamentos amorosos, com cara de desalento, explicou que aquele homem era o seu segundo marido e que tinha se separado do primeiro, pelo fato do anterior ser um traste maior ainda.

A repetição da nomeação “traste” levou à pergunta se o seu problema não seria a “trastite”, ou seja, a escolha repetitiva de trastes como objetos amorosos.

Ela abriu um sorriso radioso de confirmação do sintoma e vontade de falar a respeito. Seu tratamento começou assim, bem distante do sofrimento padronizável.

Moral da história: muitas pessoas se aferram a um sofrimento de alto valor social, para se justificarem em suas dificuldades.

Por isso gozam no sofrimento, perdendo a sua singularidade.

Cada um de nós chora ou sorri por detalhes irrelevantes aos olhos dos outros. Difícil é reconhecer e sustentar isso.

Dr. Jorge Forbes é Psicanalista e Escritor


Fonte consultada:Artigo publicado na revista IstoÉ Gente, julho de 2014.

FERIDAS DO AMOR ADULTO OU DO MAL SABER AMAR....

As feridas do Amor adulto...? Viriam da primeira infância (recalcada) sem linguagem do sujeito/criança do passado esquecido ...