terça-feira, 17 de março de 2015

NENHUM DISCURSO POLÍTICO NOS SALVARÁ E NEM OS DISCURSOS DOS "OUTROS"

O Gozo do Outro é o impossível.

Infelizmente nenhum discurso político ou “outros” tantos nos salvará de nosso real, visto que vivemos tempos que e o lugar do “Pai” simbólico está desqualificado e desimpoderado analiticamente. 

O mundo que era vertical se tornou horizontal e a humanidade ta meio desbussolada. (Jorge Forbes)

 O *real não é o mundo. (*Real na clínica de Lacan)  

É o real do sujeito, Não há nenhuma esperança de alcançá-lo por meio da representação. 

O real não é o universal para todos os sujeitos, é singular em sua angustia, desejo e gozo.

O sintoma na psicanálise é a partir de algo do real que não cessa de se escrever em nossos pensamentos, emoções e sensações atemporais: a pré-maturação, o desamparo e a morte angustiam todo sujeito.

"A hipótese do inconsciente, sublinha Freud, só pode se manter na suposição do Nome do Pai. E talvez seja certo que supor o Nome do Pai é Deus.

Por isso a psicanálise, ao ser bem sucedido, prova que podemos prescindir e repensar o nosso nome do Nome do Pai de cada sujeito.

“Podemos, sobretudo prescindir com a condição de nos servirmos dele.”
Estudos sobre (LACAN, 1975/76-2011, p.133).

A psicanálise é uma ciência e o discurso analítico é uma práxis da palavra do inominado saber de si mesmo.

Ótima leitura e reflexões a todos.

Luiz Mariano