sábado, 26 de fevereiro de 2011

O Sujeito do bem estar do "Outro"

Durante muito tempo vivemos como verdadeiros "sujeito" mas que dependemos de tempos em tempos de se "punir" , "Sofrer" ou mesmo "sentir muita Culpa" assim vamos recalcando nossa o contrariedade; E tudo isso quase sempre para o bem "estar" ou até mesmo literalmente para o "Bem viver" ou "Bem prazer" do outro. Neste contexto podem estar inseridos as vezes, Criação de filhos, esposa, marido, namorado, amante, profissão ou carreira ou mesmo em algumas relações que mantemos de vínculos sociais e culturais.

Na travessia continuada e persistente durante a análise; Esse viver para o outro, passa a ter uma reedição e re/significação onde o sujeito para o outro deixa aos poucos de existir ou num processo descontinuado o existir para o "outro" deixa de ser uma prioridade da nossa vida. É Isso que durante a sua travessia na psicanálise que vai se verbalizar-se a "si-mesmo" que ao longo do tempo muito o "sujeito" se anulou como "individuo/sujeito" de sua própria felicidade, prazer, história.

Ao elaborar isso na "análise" a partir desse instante suas escolhas, se renovam e a sensação de liberdade e crescimento para sua vida representa uma evolução e ganho sem igual valor.

O sujeito passa a se reconhecer que pode viver sem "estar" sujeito ao bem "estar" do outro.

Luiz Mariano
Psicanalista
www.drluiz.com